Conselho de pai

E-mail recebido dia 06/Abril/2011.

Fernando, a paz do Senhor.

Preciso mais uma vez da sua ajuda. E como você viu no assunto da mensagem é um conselho de pai, pai do som. Como diz o povo aqui da loja, meu guru do som.

Então vamos lá:

Por algumas vezes o XXXXXX, da Banda XXXXXX (que foi na sua casa comigo ouvir as RCF), me chamou para eu ir operar som nos eventos em que ele atua com a banda, e eu fui.

Só que agora a minha noiva, XXXXX, e até a minha família, têm indagado sobre esses eventos. São eventos em que se toca de tudo (tudo mesmo), e também dá de tudo lá. Vejo muitas coisas ruins. Eu mesmo me sinto incomodado com a situação, sinto que estou em um lugar não apropriado para um cristão.

O que você acha? é certo ou errado?

Eu tenho ido muito porque não é sempre que eu tenho um bom salário e como estamos construindo a casa (casamento chegando), esse cachê é muito necessário para o bom andamento. Tem mês que meu salário aqui mal paga o parcelamento de alguns materiais.

Preciso da sua ajuda, não sei o que fazer.

Desde já obrigado,

X.
——————————

Meu “filho no som”,

Que coisa complicada pediste! Poderia ter me pedido alguma ajuda em projeto, tirado uma dúvida técnica… seria bem mais fácil, confesso. A Física e a Matemática – por incrível que pareça – espantam muito menos que o espiritual. Se você olhar o SomAoVivo, verá que nestes cinco anos nunca escrevi nada nesse sentido, por cuidado, pois é assunto subjetivo e que cada pessoa tem um entendimento.

Admito, não sou a pessoa com a bagagem espiritual adequada para lhe responder. Mas qual o pai que, pedindo o filho uma pão, oferece uma pedra? Você pede um conselho, e eu lhe darei esse conselho. Muitos com certeza não concordarão, mas é o meu conselho para você, baseado nas minhas experiências pessoais.

Primeiro de tudo, não se espante com esse seu sentimento. Você e muitas outras pessoas se sentem assim, e isso acontece desde milhares de anos atrás. Vou até citar um exemplo bíblico. Em Mateus capítulo 8, versos 28 a 33, eu quero lembrar a você a história dos endemoniados gadarenos.

28 “E, tendo chegado ao outro lado, à província dos gadarenos, saíram-lhe ao encontro dois endemoninhados, vindos dos sepulcros; tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho.

29 E eis que clamaram, dizendo: Que temos nós contigo, Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?

30 E andava pastando distante deles uma manada de muitos porcos.

31 E os demônios rogaram-lhe, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos que entremos naquela manada de porcos.

32 E ele lhes disse: Ide. E, saindo eles, se introduziram na manada dos porcos; e eis que toda aquela manada de porcos se precipitou no mar por um despenhadeiro, e morreram nas águas.

33 Os porqueiros fugiram e, chegando à cidade, divulgaram tudo o que acontecera aos endemoninhados.”

Tenho certeza que você conhece este texto, mas penso que talvez nunca lhe atentou uma coisa bastante interessante: os porcos. Na cultura judaica, baseada na lei de Moisés, os porcos eram animais considerados imundos, não servindo como alimento. E se ninguém criava porcos, então o que esses porcos estavam fazendo ali na região da Judéia?

A resposta é simples. Aqueles porcos eram dos romanos, os dominadores de toda a região na época. Muito provavelmente os porqueiros (os “pastores de porcos”) não eram nenhum dos romanos (os dominadores), mas alguns dos judeus, trabalhando ali a salário.

Agora, pense comigo: imagine-se no meio de um povo que execrava os porcos tanto quanto aos leprosos, e você tendo que cuidar deles! Imagine como seria viver nessas condições, com os outros saindo de perto de você com medo de alguma doença, falando mal nas suas costas e até provavelmente na sua frente também!

A vida desses porqueiros não devia ser nada fácil. Seus filhos, suas esposas, todos mal-vistos pela sociedade da época. “Olha ali o filho do porqueiro, kkkkk”. Por outro lado, eles e suas família tinham o sustento garantido! Não passavam necessidade, pois havia ali a certeza do salário.

Mas eu acredito que, se um dia esses porqueiros tivessem a chance de trocar de profissão para algo que não fosse execrável e que também lhes garantisse o sustento, com certeza aproveitaram a chance.

Você, meu filho, está naquele local a trabalho, e não para participar do evento. Não está fazendo nada ilegal, não comete nenhum crime. Nem sequer seu coração está ali! Assim como você, alguns garçons, as faxineiras, seguranças ou outros empregados do local de eventos provavelmente também são cristãos, servos do Deus altíssimo. Provavelmente eles compartilham com você o mesmo tipo de sentimento. Mas cada um sabe das suas contas no final do mês.

Eu já vi essa mesma angústia sua em outras pessoas. Um dono de banca de revistas que é obrigado pela Editora a vender pornografia. Só poderia vender as revistas A e B se também vendesse a revista pornográfica Z. Ele é um bom servo (pai de amigo meu), mas “morre de vergonha” do seu trabalho. Também tenho um amigo, diácono até, cujo trabalho é ser segurança em boate. Passa muitos apertos, vê muita coisa que não gostaria de ver, já o vi chorar muitas vezes com o Senhor para que Deus lhe abra outra porta.

Se você fosse rico e fizesse isso por pura diversão, eu até lhe indicaria você realmente poderia trocar esse tipo de “diversão” por outra, em um ambiente melhor. Mas sei que você precisa desse dinheiro. É importante para você, ou melhor, para vocês! Explique isto à sua noiva e seus familiares!

Assim, você deve estar pensando, conclui-se que estou lhe dizendo que pode continuar participando desses eventos sem problema, pois “é só pelo dinheiro”. Mas não quero lhe dizer isso. A Bíblia nos ensina:

Abstende-vos de toda a aparência do mal. (1 Tessalonicenses 5:22)

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. (Salmo 1:1)

Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. (1 Coríntios 10:23)

Sabe esse sentimento que você lhe vêem à cabeça, de que aquilo não é o lugar para você? Pois é, esse sentimento quem coloca no seu coração é o Espírito Santo! Ele é a “consciência” do cristão, nos alertando que o Senhor tem outro propósito para as nossas vidas, não os que escolhemos.

Você trabalha com sonorização, e é muito bom no que faz. É bom vendedor, “peazeiro” nas horas vagas, tem feito até alguns pequenos projetos e instalações. Quem sabe não pode investir mais na profissão de vendedor, para chegar a gerente ou, quem sabe, dono da sua própria loja? Ou quem sabe não pode focar mais nos projetos e instalações? Ou partir talvez para treinamentos? Talvez um especialista de produtos de um grande fabricante! Trabalhar em estúdios. Ou ainda continuar a ser peazeiro, mas para um outro tipo de público?

Apesar de não serem muitas as alternativas para quem trabalha com som, sempre há caminhos diferentes a seguir. A escolha, filho, é sua, pois só você sabe o que lhe dá prazer em trabalhar e o que paga as contas no final do mês.

Claro que essa “mudança de foco” não será de uma hora para outra. Levará um bom tempo, talvez alguns anos, mas se você ser muito bom no que faz, trabalho não vai faltar, e bons profissionais podem até se dar o luxo de escolher o que fazer! Tenha paciência, procure fazer o melhor possível a cada dia. O “sucesso” é o resultado natural de uma busca incessante pela excelência.

Agora, se quiser continuar nessa sua vida por todo o sempre, não lhe recriminarei nunca. Quem sou eu para julgar a você ou a qualquer outro. Há muitos servos preciosos do Senhor que trabalham em empresas de sonorização, fazendo som para os mais variados gostos/tipos/eventos. Não há o menor problema, é o seu trabalho, e o trabalho nos diz quem somos. Três coisas nos definem aos olhos dos outros : “seu nome” (no sentido de sua família), “de onde você é”, “o que você faz”. Lembre-se disso onde quer que for.

Eu só lhe peço que nunca esqueça de uma coisa. Ainda que você esteja no vale da sombra da morte, seu coração não pode estar nessas coisas. Você não pode achar normal, não pode se conformar com as coisas estranhas que verá. Gente bêbada, gente drogada, prostituição, muitas tentações acontecerão ao seu lado. Não se deixe sentar na roda dos escarnecedores. Mantenha uma postura profissional, lembre-se que você está ali unicamente a trabalho, evite qualquer contato que poderá levá-lo a um mau caminho. Tenha muito cuidado, esteja debaixo de oração nesses locais, e cuide-se para não cair em tentação. Não será fácil, a luta contra a carne será grande, pois o local onde estará é propício a esse tipo de coisa. Muitos caem, meu filho. Você terá que ser forte. Com Jesus você será.

Por último, deixo para você a oração de Jesus em João 17:15

“Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.” Amém.

Vai em paz, meu filho, mas busque estar sempre atento à vontade do Senhor, pois Deus tem uma benção para a sua vida.

1 Comment on "Conselho de pai"

  1. Boa tarde Bersan, eu li este Artigo conselho de pai, li mais por curiosidade pôs, fazem anos que este tópico está ativo. Pensei inicialmente que era algum conselho técnico porém, por tanto tempo? A Palavra de Deus se renova a cada dia e verdadeiramente seu artigo Conselho de Pai, vem servir pra nortear meus passos. Deus te abençoe e permaneça a recompensa não vem dos homens. Paz t+

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar