Jeitinho brasileiro

Brasileiro é famoso, por sempre dar um "jeitinho" nas coisas. Aparece um problema, e lá vem o brasileiro com uma solução, um modo de fazer as coisas funcionarem.

Em sonorização, quem nunca teve que dar um "jeitinho"? Eu já, e tenho certeza que todo mundo que trabalha com som também. Entre os "jeitinhos" mais estranhos que já fiz ou vi fazendo, posso citar o seguintes:

– solda em conector feita com cola do tipo SuperBonder.  E até que realmente segura no lugar! Agora, quanto ao contato elétrico…

– também dá para fazer "solda" com fita isolante ou até cola quente. Em casos de emergência sempre funcionam, ou não…

– usar fita durex ou fita crepe como se fosse fita isolante. É a solução para não acontecer um curto-circuito. Mas é um perigo enorme, pois essas fitas não são feitas para aguentar as tensões de energia elétrica.

– se machucou? Coloque fita crepe. Pára sangramento na hora. Muito melhor que Band-Aid.

– cachimbo do pedestal está mole e não quer segurar o microfone na posição? "Taca" durex até ele firmar na posição.

– descarcar cabos "no dente" (literalmente)! Na falta de ferramentas específicas, e precisando emendar um cabo, por que não usar os dentes? Aliás, foi fazendo isso e depois gastando dinheiro com dentista que muita gente aprendeu a carregar sempre ferramentas.

– fusível "consertado" com filamentos de fios. Um perigo enorme de queimar o equipamento (em geral o filamento é mais grosso que o fusível original), mas ou era isso ou ficar sem o equipamento. Também dá para fazer com papel alumínio. O risco é o equipamento estourar todo e o "fusível remendado" ficar perfeito.

– mal contato? Quantas vezes tivemos que ficar apertando os conectores nas mãos até o final do evento.

– não sabe qual bateria de 9V está boa? Teste na língua. Aquela que der o maior choque é a que estará melhor.

– os dedos são ótimos para saber se existe tensão 110V ou 220V na tomada. Com 110V dói, com 220V dói muito! Fácil, não?

– não tem mais tomada elétrica disponível? Vai colocando "T" em cima de "T", ("T", também conhecido como benjamim). Só não esqueça de manter um extintor por perto.

– na falta de uma cama, o rack de uma mesa de som grande até que dá uma boa alternativa. Melhor que dormir no chão, e é quentinho!

– foi para o evento, se sujou montando tudo e na hora de tomar banho descobriu que esqueceu a toalha? Ou se usa o lado contrário da roupa já suja ou procura um saco alvejado (também conhecido como pano de chão). Mas não estranhe se aparecer umas "perebas" depois.

– algum equipamento está com folgas? Use chiclete! Já vi P10 com a ponta rodando que a pessoa colocou chiclete por dentro, para a ponta encontrar mais resistência e rodar menos.

– não tem fita crepe para escrever o que vai em cada canal da mesa de som? Use Silver-Tape da 3M. Só não estranhe se, na hora de tirar, sair toda a tinta da mesa de som junto!

– não tem adaptadores e não tem tempo de fazer solda? Use clipes! Já vi adaptadores RCA-P2 feito com clipes, um clips interligava os positivos, outro "amarrava" os negativos  do P2. Só não podem encostar um no outro…

– o campeão dos "jeitinhos" é essa situação que encontrei em uma igreja. Compraram o multicabo na metragem errada, faltaram alguns poucos centímetros. Então alguém fez o seguinte: comprou uma boa metragem de cabo coaxial e saiu emendando o coaxial em cada via do multicabo, de forma a alcançar o tamanho desejado. 

OIhem só onde esse multicabo foi parar:

Fazer uma "gambiarra" para resolver uma situação momentânea às vezes é a única saída possível, e ninguém vai deixar de realizar um evento por isso. O grande problema é permanecer no erro. Teve que colocar um "fusível remendado"? Imediatamente após substitua-o pelo correto e passe a trabalhar com fusíveis de reserva. Usou fita crepe no lugar da fita isolante? Adicione fica isolante à maleta de ferramentas. E se o multicabo tem tamanho insuficiente, compre outro!

E esses "jeitinhos" de maneira nenhuma são ruins de ocorrer. Muitas vezes, desses acontecimentos tiramos lições para toda a vida. Só dei real importância para ter fusíveis de reserva quando queimou um, dois, três do mesmo aparelho. Só depois de ter gasto um bom dinheiro com dentista é que mantenho agora um kit básico de ferramentas sempre junto dos equipamentos.

Além desses, gostaria de compartilhar com vocês alguns "jeitinhos" de primeira qualidade:

A) Dois microfones em um único canal da mesa de som

Aprendi com o pessoal de uma locadora, que tem contrato com uma orquestra no meu Estado. A orquestra tem 80 componentes e o contrato exige que cada componente tenha o seu próprio microfone. Só que a mesa da locadora tem… 56 canais. O que fazer? Emendar duas mesas?

Um funcionário da própria locadora deu a idéia do "jeitinho". Como muitos instrumentos na orquestra são iguais, porque não ligá-los de 2 em dois?

Segundo o técnico de PA, eles fazem assim: cada 2 microfones idênticos de instrumentos também idênticos (porque isso permite a mesma equalização) são ligados em um único canal da mesa. Por exemplo, são 6 primeiros violinos, 6 segundos violinos e 4 violas na orquestra. Total de 16 instrumentos. Então os canais 1 a 3 são os primeiros violinos, os canais 4 a 6 são os segundos violinos e os canais 7 e 8 são as violas. Em vez de precisar de 16 canais, apenas 8 foram necessários. E assim é feito, de forma que toda a orquestra "cabe" nos 56 canais.

O cabo é um XLR -XLR  normal, mas feito com cabos balanceados (2 condutores + terra) mais finos, de forma que os cabinhos entrem no conector sem problema. No caso, eles usaram cabinhos de um multicabo espaguetado. E segundo o técnico, funciona perfeito, sem problema algum, desde que respeitados o fato dos mics e instrumentos serem idênticos. Ele só não soube dizer se isso funciona com microfones que usam Phantom Power.

B) Um único microfone ligado em 2 canais da mesa de som

O Fred Júnior, no curso do IATEC que participei, deu essa dica valiosíssima para quem faz shows há vários cantores usando os mesmos equipamentos/microfones (shows onde uma banda assume diretamente o lugar da outra).

Segundo o Fred, um problema nesse tipo de evento é que se leva tempo para acertar a equalização dos microfones, por exemplo. Sem contar quem tem equipamentos insertados. Ele citou o exemplo de uma banda A que tem vocal masculino, que usa regulagem do jeito A, tem compressor e efeito do jeito A e é imediatamente substituída pela banda B, que tem vocal feminino, com regulagem do jeito B e compressor e efeito do jeito B.

Assim, usando esse cabo, é possível usar um canal da mesa para o cantor A (e suas equalizações) e outro para o canal B (e suas equalizações). Quando o cantor A for substituído pelo cantor B, basta apenas Mutar um canal e liberar outro.

Aliás, olhem só a qualidade desse cabo. Plugue de marca (existe uma cópia da CSR que é praticamente idêntico, mas este é original) e espaguete de borracha nas soldas. Perfeito!

C) Fontes de alimentação e filtros de linha:

É comum termos problema para colocar fontes de alimentação (sempre largas) em filtros de linhas onde as tomadas são todas juntas. Olhem só a solução encontrada por um estúdio americano:

Esse cabo que eles usaram é um pouco raro, mas pode ser encontrado em lojas de material de informática.

Gostaria que convidar a quem tem tiver histórias e fotos de "jeitinhos" a postar aqui nos comentários. Quem sabe a gente não aprende alguma coisa interessante…

1 Comment on "Jeitinho brasileiro"

  1. Como é o nome deste cabo utilizado para as fontes? Não consigo pesquisar por não ter referencia

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar