Qualidade: os componentes dependem uns dos outros

Em uma igreja, um rapaz comprou 2 microfones Samson C02. Excelentes, são condensadores e precisam de Phantom Power para operar. Só que a mesa da igreja era uma simples Ciclotron MXS 6, sem o recurso de Phantom. Daí que uma nova mesa, com Phantom teria que ser adquirida. O pessoal da igreja encontrou uma pequena mesa da Behringer, com apenas 2 canais, com o Phantom e já iam comprar, quando eu segurei e evitei esse erro enorme. Imaginem: a Behringer receberia os dois microfones e seria interligada na MXS, que permaneceria como mesa principal.

O primeiro erro é muito comum: a pessoa chega na loja e pede "quero seu melhor microfone". E consegue. O vendedor testa os microfones em uma mesa de qualidade excelente, e a pessoa fica encantada por uma marca/modelo e o compra. Mas por desconhecimento da pessoa e por falha do vendedor, leva algo incompatível com o que tem, como no exemplo acima. Depois, volta-se à loja para trocar, o que nem sempre é possível. Neste caso, quando o rapaz voltou à loja para reclamar, o vendedor ainda convenceu o rapaz a levar uma mesinha Behringer de 2 canais, com o Phantom, para que tudo pudesse funcionar. Sorte que deu tempo de evitar essa "tragédia". Mas que o vendedor é bom de enrolar, ele é.

O segundo erro é quanto a qualidade dos componentes. Em sonorização, a qualidade de um componente afeta todo o sinal de áudio. De nada adianta ter um microfone maravilhoso ligado a uma mesa de som com sonoridade simples demais (para não dizer diretamente: ruim!). De nada adianta ter excelentes microfones, excelentes equipamentos e caixas acústicas de última qualidade. O componente de pior qualidade é o que vai ditar a qualidade de som que obteremos.

Se tivesse acontecido a compra da mesinha, a igreja estaria com microfones de qualidade 10, ligados à uma mesinha de qualidade 10 (a Behringer), tudo isso ligado em uma mesa MXS de qualidade 5. Qualidade final do sistema: 5! Foi uma dificuldade convencer à pessoa que o melhor ou era ela trocar os microfones por outros, ou trocar logo a mesa inteira. Em vez de gastar 300,00 em uma mesa de 2 canais, gastar logo 800,00 em uma mesa maior, suficiente para substituir a MXS por completo, para que a qualidade do som subisse como um todo, e não ficar limitado pela baixa qualidade do componente mais simples.

Ao final, a igreja comprou uma nova mesa Behringer de 8 canais, com efeito e equalizador embutidos. Para o que eles estavam acostumados, o som maravilhoso, tendo acabado os problemas de microfonia, com o som muito mais claro e fácil de entender. Ficaram todos satisfeitíssimos.

Tem uma Ciclotron MXS? Então não compre microfones caros. A qualidade simplesmente não vai aparecer. Não gaste R$ 400,00 em um Shure SM-58, nem R$ 250,00 em um Auidio Technica MB-3k, e por aí vai. Compre Le Son SM-48 ou SM-58B, compre Behringer XM-1800S, compre Shure Liric, que são muito mais baratos (e ainda vão ter mais qualidade que a mesa). E o primeiro grande investimento no som de uma igreja é sempre a troca da mesa, que é o elemento central e mais importante, cuja qualidade afeta diretamente todos os outros componentes. Não é à toa de que a mesa de som é chamada de "superfície de controle" em Portugal!

Um exemplo de como o investimento em uma boa mesa de som é o melhor que podemos fazer aconteceu comigo. Em uma igreja, equipada com uma Ciclotron MXS, alguém comprou um equalizador Behringer FQB-6200, de incríveis 31 faixas de equalização por canal. Sugestão, obviamente, de um vendedor, para "melhorar o som" da igreja. Além de pagar quase R$ 900,00 pelo equalizador (preço à época), ainda pagou mais um valor para o vendedor ir na igreja e regulá-lo. E certo dia, fui na igreja com um grupo de cantores e músicos, com uma mesinha simples, da Alto, de R$ 600,00, e preferi usar a mesa Alto ligada direto no amplificador, sem passar por equalizador nem nada. Usei os próprios microfones da igreja. A sonoridade obtida foi excelente, e todos elogiaram. O rapaz que tinha comprado o equalizador veio conversar comigo, e perguntou como eu consegui um som tão bom mesmo sem o equalizador. Expliquei sobre como os componentes de um sistema de sonorização atuam uns sobre os outros, falei da sonoridade da MXS, muito simples (demais), e que a primeira compra da igreja deveria ter sido uma nova mesa de som, não um equalizador. O rapaz saiu muito desgostoso, se sentiu enganado pelo vendedor.

Sabemos que investimentos em sonorização são difíceis. Podendo, sempre troque a mesa de som pela melhor possível dentro do orçamento. Após isso, vá trocando os componentes devagar, melhorando-os um de cada vez. Os amplificadores são os componentes que menos influenciam na qualidade do som, mas em compensação microfones e caixas são componentes críticos! Cabos também. Só depois que tivermos microfones, cabos, mesa de som e caixas acústicas de boa qualidade é que devemos nos dar ao "luxo" de investir em periféricos (equalizadores, compressores, módulos de efeito). E, quando já temos os outros componentes de boa qualidade, muitas vezes descobrimos que simplesmente não precisamos de periférico algum!

—————————

Revisado/reescrito em 11/Mar/2008

 

Be the first to comment on "Qualidade: os componentes dependem uns dos outros"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar