• This site uses cookies. By continuing to use this site, you are agreeing to our use of cookies. Learn More.

Amplificadores Digitais vs. Eficiencia

#1
Olá Pessoal


Estes amplificadores dito digitais realmente dão a potência que anunciam?

Pois vemos hoje em dia amplificadores com milhares de watts em gabinetes pequenos, leves e trabalhando em baixas temperaturas.

Acredito que ainda tenho o antigo pensamento que amplificador bom tem que ser grande e pesado =D

Digo isso pois hoje possuo StudioR de 1600w em 14Kg e estive vendo por ai amplificadores de 3000w com apenas 6kg.
Um exemplo disso seria o NextPro R3 apresentando 1500w por canal em 2 ohms. Eles realmente dão esta potência toda?
Parecem tão frágeis. Não consigo imaginar uma cara desse tocando por exemplo a via de Subs.

Estou louco pela oportunidade de reduzir o tamanho e principalmente o peso do Rack mas tenho medo de me arrepender.

Alguém já teve experiência com amplificadores deste tipo? Realmente são eficientes? Alguém já viu estes NextPro tocando?

Abraços
 
#2
Grangran, não entendo de som, nem de amps, etc mas adoro passear pelo sav...

Não apenas com som, mas quase todas análises de produtos que faço caminham no mesmo sentido quando relacionados os diversos quesitos antigos vs modernos.

Alguém que domina o assunto dos amps vai aparecer e detalhar sua dúvida, mas de aspecto geral seu exemplo equivale a comparação automotiva de um Ford Landau vs Hyundai HB20.... Não sei qual é melhor....

Sei que não devo ter ajudado em nada mas vou acompanhar as futuras postagens para "ver qual é"

Abraços
 
#3
É bem por ai Mateusict

O que compensa mais um V8 de 80cv ou um 1.0 3 cilindros de 80cv. heheheheh
O receio é grande ainda mais envolvendo nosso tão suado dinheirinho.

Abraços
 
#4
Esse é um otimo topico @grangran.
Justamente sobre isso que venho falando aqui a tempos.
Creio que as opinioes serão bem diferentes.
Aqui dentro vc vai achar muita gente que gosta de digitais, principalmente cxs ativas importadas.
Eu pessoalmente gosto de amp nacional com a antigo transformador bem bruto.
E a cada dia que tenho oportunidade de ouvir esses digitais, mais decepcionado fico.

Queria ouvir um Powersoft ou Labgrupen, porque o resto nenhum me convenceu. chega a ser vergonhosos na via de subgraves
Que fique claro que não sou contra o "progresso". Mas não adianta diminuir peso, dimensoes e consumo e perder rendimento.
 

andry110

Well-Known Member
#6
...
chega a ser vergonhosos na via de subgraves
...
O mais engraçado que exatamente a via de subgraves que é principal "cliente" de classe D.Pois uma das limitações desse grupo são frequências .. altas!
Por um bom tempo classe D foi sugerido SOMENTE para região das frequência graves ou sub-graves.
Bom , unica vantagem VISÍVEL para usuários seria peso/tamanho.
Ja para os especialistas a possibilidade de utilizar amplamente o processamento e controle digital pode ter muito mais sentido (ou importância) que 10, 20 , 30 quilos a menos numa unidade de amplificação .
Gosto amplificadores pesados e robustos, como também gosto amplificadores da Bang&Olufsen que podem ser encontrados nas marcas de alta fidelidade e módulos ativos das caixas de som profissionais. Ou módulos de amplificação da PowerSoft. Ou da Hypex .Ou da Pascal. E etc...
Problema nao é classe de amplificação. O negocio é marketing e falta de bom senso.
Exemplo : fonte de alimentação do monitor FBT StageMaxx 12A tem 10 vezes de tamanho de modulo de amplificação da Hypex (classe D).
Exemplo 2 : fonte de alimentação das caixas RCF DigiPro 1000 tem 5 vezes (ou mais) de tamanho da parte de canal de amplificação (Classe D).
Exemplo 3 :um amplificador nacional de muitos Watts declarados de RMS da classe AB/H tem fonte de alimentação de 40% de tamanho de canal de amplificação.Detalhe : classe AB/H precisa em torno de 30% a mais de energia se comparar com classe D. Sera?..
Exemplo 4 : Cada "microFarad vs Volt" de carga da fonte pode ser facilmente transformado em resultado final de amplificador.Energia e potência estão ligados diretamente!
Resumo simplificado : existem amplificadores ruins em cada classe.Como existem amplificadores ótimos em classes opostos.Precisa analisar bem os detalhes para apreciar e valorizar os pontos fortes de cada um.
Abrcs,
andry110
 
#7
Andry, geralmente quando uma pessoa mais leiga diz amp digital, classe D, etc... Ela se refere ao conjunto completo, o amp propriamente dito fechado dentro do gabinete. Ela não faz separação entre as classes de amplificação e muitas vezes nem tem noção do que tem lá dentro. Ela enxerga digital, classeD e fonte chaveada como uma coisa só.
Vc já faz um comentario mais tecnico separando classe de amplificação e tipo da fonte.
Então creio que esse tópico a falta de confiança não é com a classe D em especifico e sim com o resultado que 0 amp completo apresenta de uma maneira geral. Quais amps? geralmente os modelos que todos tem acesso: Crown XLS, XTI, Bheringer INuke, NextPro...
Esses citados todo mundo acha fraco quando comparado aos nacionais (fonte não chaveada) de mesma potencia declarada.
 
#8
andry110,
Obrigado por nos abrir os horizontes, realmente existe muito mais componentes a serem avaliados dentro da "caixa preta".
Mas é como o Sandro falou, provavelmente a maioria dos usuários acaba avaliando o conjunto como um todo, com base nas especificações fornecidas pelo fabricante (ora omitida por eles). Logo se hoje tenho um amplificador "convencional" de 2000w se eu trocasse por um digital de 2000w deveria ter o mesmo rendimento, mas não é bem isso que ouvimos por ai. Seria uma resistência das pessoas ?
Ou, para se ter o mesmo rendimento teria que ter um amplificador digital de 3000w?

Na pista .... Landal ou HB20 ? heheheheh
 
#9
grangran, existem tambem diferentes normas de medição para se chegar a esse numero.
Na minha opinião deveria ser 1 norma só e somente um instituto só. Os fabricantes fazem o amp com qualquer topologia A, B, Z , fonte chaveada, transformador de 20kg, qualquer coisa. manda para o único instituto responsavel, eles aferem e colam o selo.
Mas é assim:
norma 1: o carro é medido em um atoleiro com pneus carecas e atinge 100km/h
norma 2: o carro é medido na areia da praia com lotação maxima e atinge 100km/h
norma 3: o carro é medido no asfalto, na descida e com vento a favor e atinge 100km/h
O fabricante tem liberdade de escolher qual das 3 normas válidas.
Aí vc pega o carro da norma 3 e coloca na norma 1. resultado 50km/h
Qual carro é melhor?

Aí acontece o que vemos por aí. caixinha com 300w dando coro em cx de 1000w.
E como a maioria das vezes a que tem menos rendimento e apresenta numeros maiores no manual são as tais "digitais" o preconceito vai sendo formado.
 
#10
Na verdade, sistemas digitais vieram para revolucionar.

Vejamos:

Observe uma fonte de energia (conversor) com saída de 12v,

Essa fonte com corrente de 20A, convencional, usaria um transformador de pelo menos 1,5Kg ou mais, sem contar o peso dos demais componentes. Imagina o tamanho e peso dessa fonte pronta.

Atualmente, temos em nossos PCs fontes com tal corrente, ou mais, na saída de 12v, com pelo menos a metade ou menos ainda do peso de uma fonte convencional.

É o que ocorre nos amplificadores digitais. E creio que essa tecnologia está ainda no começo.
 

andry110

Well-Known Member
#11
...
Andry, geralmente quando uma pessoa mais leiga diz amp digital, classe D, etc... Ela se refere ao conjunto completo, o amp propriamente dito fechado dentro do gabinete. Ela não faz separação entre as classes de amplificação e muitas vezes nem tem noção do que tem lá dentro. Ela enxerga digital, classeD e fonte chaveada como uma coisa só.
...
Exato.
E deveria ser assim com amps tradicionais também.Mas o que ocorre na realidade 'e MIGRAÇÃO das tecnologias.Hoje alem de bem ditos DIGITAIS pela nascença temos amps classe AB/H com as fontes SMPS ou similares.
Mas temos também uma vasta linha dos amplificadores quase idênticos dos diversos fabricantes (inclusive pseudo nacionais "china in box").
Junto com marketing das empresas e relatos pouco objetivos dos alguns usuários (tipo : tenho dois desses e eles batem bem forte!..) vira uma bagunça generalizada.
Sou membro dos alguns fóruns de Pro Áudio da EUA,Austrália, Rússia,Ucrânia e "ângulo" de questionamento 'e um pouco diferente mas o tema 'e permanentemente no ar e coisa não esta ta facil .Exemplo:
- quantos watts REALMENTE(!!!!) entrega um amplificador X com carga Y!
- qual diferença de rendimento de amplificador da marca A de classe D contra marca B de classe AB.
- qual teste temos considerar aceitável e referencial para amplificadores de áudio hoje em dia
- e etc..
Não ta parecendo com nada??;)

Abrcs,
andry110