• This site uses cookies. By continuing to use this site, you are agreeing to our use of cookies. Learn More.

Ajuda - Dúvida caixa T-18

G

Guest

Guest
#1
Olá pessoal,

Sou novo no forum e gostaria de pedir uma ajuda. Hoje possuo um par de caixas 12" e um par de 15", mas ainda falta SPL bacana para os graves e por isso resolvi comprar um par de alto falantes de 18".
Pesquisando sobre os melhores modelos com informações para fabricar eu decidi fazer a T-18 cujo projeto original é da EV, eu gostaria mesmo de fazer a W-Horn, mas acho que seria um exagero no meu caso.

A grande dúvida é relacionada a interação entre a caixa e o AF, normalmente cada um possui caracteristicas específicas de projeto o que implica numa caixa esécífica também, porém as caixa que possuem corneta (HORN) geram um fenômeno de amplificação do som e embora eu tenha lido um bilhão de documentos, não foi possível relacionar os parametros Thiele-Small com a geometrica da caixa citada. Muitos dizem que as cornetas não precisam ser modificadas, mas lendo o artigo do Keele, o criador da W-horn da JBL, é visível que os parametros do AF vão influenciar no projeto.

Por um lado, pelo fato da corneta ser algo mecânico, como um megafone, qualquer pessoa que usar o megafone ele vai amplificar o som do mesmo jeito, o que irá mudar é o tibre da voz que está falando, desse ponto de vista, considerando uma caixa corneta como um megafone ela não dependeria so parametros do AF, no entanto no projeto da T-18 exista um volume entre a boca da corneta e o AF que impacta diretamente na pressão do cone, no caso da W-Horn existe um volume atras do AF e isso certamente está correlacionado com os parâmetros do mesmo a exemplo o Vas que por sua vez está relacionado com a suspensão. No fim das contas to ficando doido e não cheguei a lugar nenhum. Tenho ou não que modificar o projeto original?

Fiz uma tabela com os dados de vários AF para confronto com o AF original da caixa (EV DL18MT), qual seria o melhor substituto? ou qual seria o lado bom de ruim de cada um?
Não considerei Oversound e Eros na tabela pois fornecedor que não divulga o mínimo de informação como gráfico de SPL x frequencia não é muito confiável.

Seria o Vb da T18 infinito?

É melhor eu não citar qual AF eu comprei para não influenciar na resposta.

Muito obrigado,

Marcelo



 
G

Guest

Guest
#2
Ainda não testei de maneira adeguada, mas está aí o resultado. Ainda falta terminar a tela de proteção que já está "no forno".

 
G

Guest

Guest
#4
Hoje depois de bom tempo consegui fazer um teste decente no sistema, tive um atraso por um defeito no crossover da Ciclotron mas já está arrumado (produto apresentar defeito já no primeiro uso é foda).

Eu comprei AF Snake ESX185 pois achei ele o melhor custo benefício, abaixo eu vou colocar alguns comentários que deixei em outro tópico**.

O som ficou bem aveludado e com ótima definição nas baixas frequências, mas como muita gente citou a T-18 trabalha melhor cortando em 120Hz, se cortar depois do 150 retumba um pouco e perde um pouco da definição, talvez isso se deva ao pico de amplicação em 150Hz como pode ser visto no gráfico abaixo:



Além do corte eu configurei o equalizador para reduzir o ganho em 3dB na frequência de 100Hz e aumentei o ganho em 3dB na frequência de 63Hz e 6dB em 40Hz, isso para planificar um pouco a curva de resposta da caixa. Devo ter testado no máximo a 30% da potência pois todo o sistema estava ligado e em casa não possuo tomada especial, as domesticas fornecem no máximo 10A, mas nem precisou também pois meu ouvido ja começava a doer pois o local era semi-aberto, a T-18 é muito ignorante.

A caixa foi construida em compensado de 20mm com bastante cola na união das peças e muito prego, eu diria que um a cada 20/30mm, no tratamento acustico eu usei três demãos de batida de pedra, feltro agulhado e por último manta acrílica 400, nas laterais, na frente e parcialmente na parte superior para não atrapalhar a vazão de ár na boca da corneta. Nas alças eu dei 5 demãos de batida de pedra para evitar qualquer ressonancia e vedei. Como conector eu usei apenas um Speakon da Neutrik na parte inferior atras da rampa, isso evita qualquer tipo de perda de pressão, o projeto inicial prevê um painel e um corte para fixá-lo atras da caixa mas preferi deixa a madeira inteira. Como não tem derivação também, eu uso um cabo de duas vias PP com seção de 2,5mm^2 e comprimento de 5m pra cada caixa o que ajuda a evitar o aumento Qes e consequentimente perder definição dos graves. Dificilmente vou ampliar o sistema. Fiz também uma tela de proteção.



** O AF original da T-18 o DL18MT, possui alto valor de VAS o que pode nos indicar a escolha para ter feito uma caixa com alimentação frontal (front loaded horn) esse parâmetro é asssociado a suspensão mecânica do AF e neste sentido o WPU1809 e ESX185 seriam os mais próximos. Isso pode trazer impacto de vida útil e deslocamento do cone, se você não tiver uma massa de ar adequada pro AF uma distorção no som também irá ocorrer.
Já para o parâmetro Qes, em geral para graves mais secos deseja-se valores menores, o HPX2180 é o mais próximo do AF original, falantes com Qes maiores podem gerar graves mais retumbantes e isso significa perder definição entre uma frequência e outra e mudar o timbre.
Se compararmos o valor de Vd (volume deslocado pelo cone) em geral boas reproduções de graves estão acossiadas a grandes deslocamentos de ar, então o ESX185 leva vantagem.
Mais do que simplesmente comparar o parâmetro Fs, vale mais a pena comparar a curva de resposta em frequencia de todos AF e nesse aspecto os selenium perdem bastante, eles apresentam comportamentos muito irregulares perto dos 20Hz o que certamente prejudica seu desempenho nas baixas frequencias, para músicas com batidas de sintetizadores talvez não seja necessária frequencias tão baixas, mas som ao vivo para ter boa qualidade precisa ser capaz de reproduzir todos armônicos, logo os Snake saem na frente.

Por último tem a questão do projeto da caixa ser para 400W utilizando madeira de 18mm, usar uma potência maior pedirá ajuste na espessura o que mudará ligeiramente a geometria e a curva de resposta, o ESX (600W) está mais perto novamente, além disso, você precisa levar em consideração a energia elétrica, numa tomada residencial tirar 10A é assumir muito risco e isso em 127V nos dá 1270W, comprar um Snake HPX2180 requer 1000W por AF, se você usar menos potência devido ao fenômeno da compressão, digamos que 60%, talvez dê para usar um ampli para alimentar duas caixas numa tomada normal, Mas tem o custo alto do ampli.

Foto do sistema inteiro.




Demais dados:

Mesa Behringer Nenyx Q502USB
Equalizador Phonic GEQ 1502F
Crossover Ciclotron CPX 2341SM
Amplificador Behringer inuke 3000 empurrando 2 AF Snake 18" ESX185 ([email protected]) em bridge operando de 25Hz a 120Hz
Amplificador Etelj Nitro 4400 empurrando 2 AF Novik 12" 12XX1100 ([email protected]) e 2 AF Eros 15" E315L ([email protected]) operando de 120Hz a 2200Hz
Amplificador Etelj Nitro 2200 empurrando 4 Drives Ti Snake SD145 ([email protected]) operando de 2200Hz a 18.000Hz

Abraço
 
#5
Hoje depois de bom tempo consegui fazer um teste decente no sistema, tive um atraso por um defeito no crossover da Ciclotron mas já está arrumado (produto apresentar defeito já no primeiro uso é foda).

Eu comprei AF Snake ESX185 pois achei ele o melhor custo benefício, abaixo eu vou colocar alguns comentários que deixei em outro tópico**.

O som ficou bem aveludado e com ótima definição nas baixas frequências, mas como muita gente citou a T-18 trabalha melhor cortando em 120Hz, se cortar depois do 150 retumba um pouco e perde um pouco da definição, talvez isso se deva ao pico de amplicação em 150Hz como pode ser visto no gráfico abaixo:



Além do corte eu configurei o equalizador para reduzir o ganho em 3dB na frequência de 100Hz e aumentei o ganho em 3dB na frequência de 63Hz e 6dB em 40Hz, isso para planificar um pouco a curva de resposta da caixa. Devo ter testado no máximo a 30% da potência pois todo o sistema estava ligado e em casa não possuo tomada especial, as domesticas fornecem no máximo 10A, mas nem precisou também pois meu ouvido ja começava a doer pois o local era semi-aberto, a T-18 é muito ignorante.

A caixa foi construida em compensado de 20mm com bastante cola na união das peças e muito prego, eu diria que um a cada 20/30mm, no tratamento acustico eu usei três demãos de batida de pedra, feltro agulhado e por último manta acrílica 400, nas laterais, na frente e parcialmente na parte superior para não atrapalhar a vazão de ár na boca da corneta. Nas alças eu dei 5 demãos de batida de pedra para evitar qualquer ressonancia e vedei. Como conector eu usei apenas um Speakon da Neutrik na parte inferior atras da rampa, isso evita qualquer tipo de perda de pressão, o projeto inicial prevê um painel e um corte para fixá-lo atras da caixa mas preferi deixa a madeira inteira. Como não tem derivação também, eu uso um cabo de duas vias PP com seção de 2,5mm^2 e comprimento de 5m pra cada caixa o que ajuda a evitar o aumento Qes e consequentimente perder definição dos graves. Dificilmente vou ampliar o sistema. Fiz também uma tela de proteção.



** O AF original da T-18 o DL18MT, possui alto valor de VAS o que pode nos indicar a escolha para ter feito uma caixa com alimentação frontal (front loaded horn) esse parâmetro é asssociado a suspensão mecânica do AF e neste sentido o WPU1809 e ESX185 seriam os mais próximos. Isso pode trazer impacto de vida útil e deslocamento do cone, se você não tiver uma massa de ar adequada pro AF uma distorção no som também irá ocorrer.
Já para o parâmetro Qes, em geral para graves mais secos deseja-se valores menores, o HPX2180 é o mais próximo do AF original, falantes com Qes maiores podem gerar graves mais retumbantes e isso significa perder definição entre uma frequência e outra e mudar o timbre.
Se compararmos o valor de Vd (volume deslocado pelo cone) em geral boas reproduções de graves estão acossiadas a grandes deslocamentos de ar, então o ESX185 leva vantagem.
Mais do que simplesmente comparar o parâmetro Fs, vale mais a pena comparar a curva de resposta em frequencia de todos AF e nesse aspecto os selenium perdem bastante, eles apresentam comportamentos muito irregulares perto dos 20Hz o que certamente prejudica seu desempenho nas baixas frequencias, para músicas com batidas de sintetizadores talvez não seja necessária frequencias tão baixas, mas som ao vivo para ter boa qualidade precisa ser capaz de reproduzir todos armônicos, logo os Snake saem na frente.

Por último tem a questão do projeto da caixa ser para 400W utilizando madeira de 18mm, usar uma potência maior pedirá ajuste na espessura o que mudará ligeiramente a geometria e a curva de resposta, o ESX (600W) está mais perto novamente, além disso, você precisa levar em consideração a energia elétrica, numa tomada residencial tirar 10A é assumir muito risco e isso em 127V nos dá 1270W, comprar um Snake HPX2180 requer 1000W por AF, se você usar menos potência devido ao fenômeno da compressão, digamos que 60%, talvez dê para usar um ampli para alimentar duas caixas numa tomada normal, Mas tem o custo alto do ampli.

Foto do sistema inteiro.




Demais dados:

Mesa Behringer Nenyx Q502USB
Equalizador Phonic GEQ 1502F
Crossover Ciclotron CPX 2341SM
Amplificador Behringer inuke 3000 empurrando 2 AF Snake 18" ESX185 ([email protected]) em bridge operando de 25Hz a 120Hz
Amplificador Etelj Nitro 4400 empurrando 2 AF Novik 12" 12XX1100 ([email protected]) e 2 AF Eros 15" E315L ([email protected]) operando de 120Hz a 2200Hz
Amplificador Etelj Nitro 2200 empurrando 4 Drives Ti Snake SD145 ([email protected]) operando de 2200Hz a 18.000Hz

Abraço
Prezado Guest
Desculpe voltar neste tópico depois de tanto tempo. Primeiro Gostaria de te parabenizar. Dificilmente encontramos artigos deste nível. Gostaria de saber se foi você mesmo que fez os gabinetes da T18, pois estou precisando de dois. Você poderia me indicar onde posso encontrar gabinetes de 20mm reforçado como o seu? Obrigado