1. This site uses cookies. By continuing to use this site, you are agreeing to our use of cookies. Learn More.

Featured Artigo MIC IN e LINE IN em mesas de som: uma tremenda confusão

Discussão em 'Geral - Mesa de Som' iniciado por bersan, 25 Julho 2008.

  1. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Em sonorização, basicamente temos dois tipos de fontes sonoras que ligamos nas mesas de som: microfones e instrumentos.

    Microfones existem dos mais variados tipos e formatos. A maioria é feita para voz, mas existem inúmeros feitos para uso específico com instrumentos musicais, aliás, muitos feitos especificadamente para um determinado tipo de instrumento. Mas ainda assim, é tudo microfone.

    Já quando falamos em instrumentos, a coisa complica, porque existem vários tipos. Existem os instrumentos acústicos, que produzem som por si só. Em geral, são dotados de caixas ou tubos de ressonância (o “corpo” de um violão é sua caixa de ressonância), que amplificam o som das cordas ou peles vibrando ou do ar passando, caso dos instrumentos de sopro.

    Só que os instrumentos acústicos, em sonorização, geralmente são microfonados. Ou seja: para levarmos estes equipamentos à mesa de som, precisamos de microfones. Então, para o entendimento deste artigo, não vamos nos ater a este tipo de instrumento, já que estamos interessados é no meio dele chegar à mesa de som, que no caso é através de um microfone.

    Então, quando falamos em “instrumentos”, lá no primeiro parágrafo, estamos nos referindo aos instrumentos elétricos. Os “elétricos” são versões de instrumentos clássicos onde a caixa de ressonância foi substituída por um captador eletromagnético. Como exemplo, temos o contrabaixo elétrico, a guitarra elétrica, pianos elétricos. Recentemente vi pela primeira vez um violino elétrico.

    Quando os instrumentos elétricos tem apenas captadores eletromagnéticos, são chamados de elétricos “passivos”. Quando, além dos captadores, há circuitos eletrônicos alimentados por energia elétrica (fonte de alimentação ou pilhas/baterias), como nos casos dos contrabaixos e guitarras com captadores ativos, eles são chamados de instrumentos elétricos “ativos”.

    Também existem os instrumentos eletrônicos (também chamados de “digitais”). Estes tem seus sons gerados por circuitos eletrônicos, como os teclados eletrônicos, as baterias eletrônicas. Já vi até um acordeão eletrônico. Uma característica muito legal dos instrumentos eletrônicos é que eles são multitimbrais, ou seja, possuem vários tipos de timbres a escolher. Um tecladista pode, no seu instrumento, tocar bateria, flauta, trompete, contrabaixo, etc.

    E existem os instrumentos elétricos (ativos ou passivos) com processamento eletrônico. Quando ligamos um contrabaixo ou guitarra elétricos em um pedal de efeitos (nome comum dado aos módulos de efeitos feitos para músicos, acionados com o pé), estamos proporcionando a um instrumento elétrico um processamento eletrônico, já que o pedal (em geral, 1 efeito) ou pedaleira (vários efeitos) são circuitos eletrônicos.

    Agora, podemos então voltar a redigir o primeiro parágrafo deste texto assim:

    “Em sonorização, basicamente temos dois tipos de fontes sonoras que ligamos nas mesas de som: microfones (para voz ou para instrumentos, de qualquer tipo, com ou sem fio) e instrumentos (aqueles que não são microfonados; que tem captadores eletromagnéticos ou aqueles que precisam de energia para funcionar, eletrônicos/digitais)”.

    Então, daqui para a frente, quando nos referirmos a estes dois tipos, microfone ou instrumentos, estamos nos referindo como citado logo acima.

    Feito esta complicada introdução, agora vamos relacionar esses equipamentos com energia elétrica, que é o que “corre nas veias” das mesas de som.

    Tanto os microfones quanto os instrumentos são transdutores (transdutor: aquilo que transforma um tipo de energia em outro). Microfones são transdutores de energia sonora (som) em energia elétrica. De um lado entra o som da voz de alguém (ou o som do instrumento), e do outro sai uma tensão elétrica, que é enviada à mesa de som pelo cabo. Instrumentos (os captadores eletromagnéticos e os circuitos eletrônicos) também são transdutores, de energia mecânica (a força que fazemos nas cordas, nas peles, etc.) em energia elétrica.

    Observe: microfones e instrumentos produzem sinais elétricos. São esses sinais elétricos que são enviados à mesa de som, que serão processados e depois amplificados, gerando o som que sai das caixas. Só que as medidas dessas energias são bem diferentes, muito diferentes.

    Vamos fazer um teste? Consiga uma planta, uma violeta, por exemplo, dessas que todos temos em casa. Fale com a violeta, com a sua boca bem próximo das folhas. Você notará que as folhas mal vão se mexer. Talvez se cantarmos forte e bem próximo as folhas se mexam mais , mas ainda assim será uma coisa mínima. Lembre-se que é para falar, cantar (energia acústica), não soprar (energia mecânica, vento, movimento)!

    Agora, use suas mãos: toque na violeta. Mexa nas suas folhas, e será fácil notar que as folhas se movem junto com o movimento dos seus dedos. Finalmente, dê um tapa na planta (é modo figurado, ninguém precisa fazer isso de verdade). Com certeza arrancará algumas folhas.

    Após fazer esse teste, é fácil perceber as diferenças entre os níveis de sinais elétricos gerado pelos microfones e instrumentos. Microfones, que geram tensões elétrica a partir de energia sonora, conseguem produzir sinais elétricos muito pequenos (assim como as folhas mal se mexem mesmo gritando ao lado delas). Instrumentos elétricos, por sua vez, que geram sua energia a partir de energia mecânica, conseguem enviar à mesa de som sinais elétricos muito mais fortes que os sinais de microfones. São como nossos dedos mexendo nas folhas. Instrumentos eletrônicos (ou com processamento eletrônico), por sua vez, conseguem gerar sinais mais fortes ainda. Alguns tão fortes que parecem um tapa!

    Agora, vamos traduzir isto em números*. Microfones conseguem produzir tensões de sinais entre -52dBu a -10dBu (dBu = medida de tensão elétrica na cada dos miliVolts). Isso representa valores de 2miliVolts (0,002V, se preferir) a até 245mV (0,245V), e é conhecido como “nível de microfone”. Instrumentos, por sua vez, produzem sinais entre 0,245V a valores de vários Volts. Um teclado eletrônico ou uma guitarra com pedaleira pode produzir até 5V na sua saída de áudio, valor este que depende da implementação que o fabricante deu ao seu equipamento.

    *Fonte: Artigo Níveis de Sinal de Áudio, de David Fernandes. http://www.somaovivo.mus.br/artigos.php?id=114

    Diante de sinais tão diferentes entre si, a solução encontrada pelos fabricantes de mixers e consoles foi implementar entradas também diferentes. Assim, na grande maioria dos equipamentos, encontramos duas entradas de conexão distintas nos canais: MIC IN e LINE IN. Mic In preparada para receber sinais elétricos do nível de microfone e Line In preparada para receber sinais de instrumentos.

    mic_line_in.jpg

    Cabe ressaltar que, apesar de existirem duas entradas independentes, comumente só funciona uma única entrada por vez. E se por algum erro conectarmos equipamentos simultaneamente às duas entradas, somente o que estiver no LINE IN funcionará.

    Após entrar na mesa, esses sinais são encaminhados a circuitos chamados de amplificadores operacionais (ou “ampops”, mas são mais conhecidos como “pré-amplificadores” ou simplesmente “prés”), e são devidamente elevados (em alguns casos, atenuados) a um valor de voltagem que a mesa de som consegue manejar. Note que os pré-amplificadores de microfones fazem um trabalho muito mais árduo que os pré-amplificadores de linha, já que precisam elevar o baixíssimo sinal de microfone para um valor bem maior.

    Mas, se é para ligar os instrumentos na entrada LINE IN, por que não dar o nome de INST IN? Ou GUITAR IN? Ou por que não outro nome qualquer, que se referisse a instrumento?

    Porque na verdade, essas entradas não aceitam somente instrumento, mas todo e qualquer equipamento que não seja microfone. É possível ligar no LINE IN instrumentos musicais (elétricos e/ou eletrônicos), mas também aparelhos de DVD, CD-Player, Televisão, vídeos cassete, mesas de som, outros equipamentos de áudio, etc.

    Na verdade, o "nível de linha" (referente a Line) aceita sinais de -10dBu (0,245V) a até +30dBu (24,5V). Equipamentos que trabalham com sinal de linha trabalham com esses valores, em geral, apesar de depender da implementação de cada empresa. Mas não se espante se ler no manual que a entrada de linha de uma mesa de som aceita “apenas” até 5V. Esse é o valor mais comum em instrumentos, por isso essa implementação.

    Daqui já podemos tirar uma conclusão:

    Entrada MIC IN – ligue nela tudo o que for microfone, inclusive os sem fio
    Entrada LINE IN – ligue nela tudo o que não for microfone!

    Simples e fácil, não? A princípio sim, mas é incrível a capacidade humana de complicamos tudo, sempre! E a primeira complicação está nos fios e nos conectores utilizados em sonorização.

    O início da confusão: os conectores

    Em mesas de som mais simples, voltadas para o mercado amador, mas (infelizmente) muito usadas em igrejas menores/mais simples, as entradas MIC IN e LINE IN, apesar de independentes, são ambas equipadas com o mesmo tipo de conector: P10.

    Nestes casos, é muito importante observar que os cada tipo de fonte sonora seja encaminhado à entrada correspondente. Microfone para o MIC IN, Instrumento (ou qualquer outra coisa que não microfones) para o LINE IN. Só que às vezes nos confundimos… as entradas são iguais mesmo!

    Os sintomas típicos de ligação errada são clássicos. Microfones ligados às entradas LINE IN não tem praticamente volume algum, mesmo tudo no máximo (ou fader e ganho no máximo). Por outro lado, instrumentos ligados na entrada MIC IN ficam com um volume enorme, mesmo com um pouco só de volume aberto. O fader um pouco mais aberto e o sinal já começa a distorcer (clipping), até mesmo acendendo as luzes de Clip ou Peak (se existirem) do equipamento.

    O que acontece é que o pré-amplificador de microfone multiplica o sinal grandemente, enquanto o pré-amplificador de linha multiplica pouco (às vezes, até atenua) o sinal. Só que os prés amplificadores não sabem o que está ligado no conector de entrada correspondente, logo…

    Microfone conectado no LINE IN não funciona, mas não acarreta nada além disso. Só que instrumento conectado no MIC IN pode (e vai – esteja ciente disso) queimar o circuito do pré-amplificador. O sinal do instrumento, já muito alto, será ainda multiplicado grandemente, acarretando distorção, e o ampop não suporta tais valores, e queima por superaquecimento.

    Já fiz eventos onde o músico pedia para “liga embaixo, dá mais volume”. Embaixo referindo-se à entrada de MIC In, onde ele tinha por hábito sempre ligar o seu instrumento. Após as explicações do porque não ligar assim, ele argumentava “mas sempre fiz isso e nunca deu problema, e é bom porque dá mais volume”. E sempre explico que vai queimar quando for um culto mais demorado, uma ceia, uma vigília, etc. Pode até demorar para queimar, mas vai queimar o circuito.

    Quando a mesa já é (semi) profissional, com entradas de microfone do tipo balanceadas, em geral temos conectores XLR para a entrada MIC IN e conectores P10 para as entradas LINE IN. Como os conectores não são mais iguais, a chance de erro por “encaixar no lugar errado” cai drasticamente. Mas ainda assim…

    Já fui chamado às pressas várias vezes porque os microfones simplesmente não funcionavam na mesa nova, recém adquirida. Que mesmo com tudo no máximo, o volume era baixinho, baixinho. Sempre era a mesma coisa: a igreja comprava nova mesa de som, mas mantinha os mesmos cabos de microfone, ainda com conectores P10. A solução era fácil: dar uma passadinha na loja e comprar cabos novos. Às vezes, uma simples mudança no conector já resolve.

    Mas também já encontrei músicos em igrejas que, diante de uma mesa nova com conectores XLR no MIC IN, mandaram fazer cabos para os seus instrumentos com conector P10 no lado do instrumento e XLR no lado da mesa de som. “Porque ali dá mais volume”. Erradíssimo. Já vi até cabos de um DVD sendo ligado na mesa via conector XLR, também “para dar mais volume”. Depois queima o canal e é o equipamento que não presta!

    Um perigo grande é quando precisamos interligar duas mesas de som profissionais, com o objetivo de conseguir mais canais. Várias vezes já precisei juntar mesas de 16 canais com uma outra de 12, duas de 12, duas de 24, etc. Em geral, a saída de uma mesa de som profissional tem conector XLR, mas nível de sinal de linha. E interligamos na outra mesa onde? Deveria ser na entrada correspondente ao nível, ou seja, LINE IN, mas pelo fato já de termos cabos XLR-XLR para os microfones, os aproveitamos para fazer a ligação. Fazendo isso, estaremos ligando a saída de linha de uma mesa na entrada de microfone da outra. Erradíssimo, podendo novamente queimar o canal.

    Por último, cuidado com medusas e multicabos. O grande problema são os conectores instalados. Recentemente, tive um problema ao fazer som pela primeira vez em um local. O rapaz levou um violino elétrico, para tocar, e um dos rapazes da equipe local montou as ligações. O violino tem saída P10, nível de linha. Entrou na medusa também em um conector P10. E chegou na mesa de som em um conector XLR, na entrada MIC IN.

    Eu assumi a operação da mesa de último momento, e não sabia da instalação. Durante o culto, o violino ficou altíssimo. Tão forte que cortei todo o seu volume e ganho, e ainda assim continuava a sair som. Mesmo com todo o volume e ganhos cortados, o canal Mutado e os endereçamentos retirados, o som ainda vazava. Foi só quando meti a mão no conector para retirá-lo da mesa que senti o problema. Era um conector XLR. O instrumento estava entrando na mesa no conector MIC, em vez de Line. Se em um lado da medusa entrou P10, do outro lado deveria haver o mesmo conector, mantendo-se assim o padrão e – por consequência – a ligação e “casamento” perfeito entre o níveis de sinal da fonte sonora e a entrada da mesa de som.

    Daqui, tiramos mais uma conclusão:

    Sempre avalie as ligações entre aparelhos em relação ao tipo de equipamento e o nível de sinal (Mic/Line) correspondente. Nunca pelo tipo de conector do cabo utilizado.

    Mais confusão: periféricos e nível de sinal

    Muita gente confunde conector com nível de sinal. Acha que XLR é para microfone e P10 é para instrumento/equipamento, coisa que já vimos que não tem nada a ver.

    Esse problema é exemplar quando usamos periféricos: compressores, equalizadores, módulos de efeitos, etc. Muitos deles possuem conectores XLR, e as pessoas acreditam que podem conectar os microfones diretamente a eles, e depois à mesa de som. Mas não, não pode!

    Os periféricos não tem circuitos de pré-amplificação para sinais de microfone, somente trabalham com sinais de linha! Os conectores XLR que estão presentes nesses aparelhos são para balanceamento do sinal, o que não tem nada a ver com o nível do sinal. Mais adiante voltaremos a ver sobre balanceamento do sinal.

    E mesmo assim, sempre tem um para dizer que já conectou o microfone direto no compressor ou equalizador e que tudo funcionou bem. Claro que funciona, mas à custa de levar ao máximo os controles de ganho do equipamento, aumentando o sinal do microfone e também o ruído do aparelho. Se usasse certo, o som sairia limpo, sem ruído.

    Disso, podemos concluir:

    Tudo o que não é mesa de som não aceita ligação direta com microfones. Só "entendem" o que é nível de linha

    A não ser, é claro, que seja um equipamento dotado pré-amplificador específico para microfones, como existem alguns no mercado.

    Por outro lado, podemos sim conectar um instrumento diretamente a um periférico, e vai funcionar. Aliás, os músicos já sabem disso a muito tempo: os pedais e pedaleiras nada mais são que periféricos, só que feitos para ficar no pé. Na falta de um pedal, podemos tranquilamente usar um periférico como os que utilizamos no PA. Só não deixe o músico querer colocar o pé no aparelho!

    Começando a solucionar o problema

    Toda essa teoria é bonita, mas na prática, quando falta 5 minutos para o início do evento, e você não tem o cabo com o conector certo, não há muito o que fazer, não é verdade? Então, o que podemos fazer para evitar um prejuízo (distorção, queima de componentes)?

    O nível de sinal de um aparelho sempre é proporcional ao controle de volume do próprio aparelho (instrumentos elétricos ou eletrônicos, faders masters da mesa de som, etc). Volumes mais altos proporcionam maior nível de sinal. Volumes mais baixos, menor nível de sinal.

    Assim, se não tivermos outra solução a não ser ligar um instrumento e/ou outro aparelho na entrada MIC IN, a solução é manter sempre no menor ajuste possível o volume do equipamento que manda o sinal.

    Teve que ligar o teclado no MIC IN? Então mantenha o volume do teclado bem baixo. Teve que mandar o sinal da mesa A para a mesa B pelo MIC IN? Então mantenha a mesa A com os masters pouco levantados.

    Isso diminuirá o nível de sinal de saída do equipamento que envia, e por conseguinte o sinal na entrada do equipamento que recebe, diminuindo assim a chance do sinal clipar (distorcer) e de queimar alguma coisa. Evidente que não é uma solução muito boa, pois a qualquer momento o músico pode dar uma “esbarrada” no volume e… já era!

    Muitos acham que a solução é diminuir o ganho (controle GAIN ou TRIM) do canal na mesa de som que recebe o sinal. Só que o controle de ganho fica situado, no caminho do sinal, junto ao ampop. Abaixar o ganho até ajuda a reduzir o sinal realmente, até mesmo consegue-se evitar o clipamento por este ajuste, mas como o sinal já entrou alto antes do ajuste de ganho, continuamos a correr o risco de queimar o circuito de pré-amplificação.

    Mesas (semi) profissionais contam geralmente com um recurso que é a luz indicativa de clip (em geral, chamada de CLIP, PEAK ou OL – de “overload”) por canal. Essa luz é um ótimo indicativo para saber se o sinal está exagerado ou não. Ela nunca deve acender, no máximo dar umas piscadas rápidas nas partes mais fortes das músicas. Se ela estiver acendendo, primeiro devemos tentar abaixar o ganho. Se mesmo com o ganho baixo o problema continua, a solução é ir no equipamento de origem do sinal e abaixar o seu volume de saída.

    Uma solução muito melhor é acionar o controle de PAD existente em algumas mesas de som. Ela nada mais é que uma resistência colocada em série com o caminho do sinal, que proporciona uma atenuação (em geral de -20dB), reduzindo a “força” do sinal de linha, tornando-o compatível com sinais de microfone. Esse botão é muito melhor que diminuir o volume do instrumento porque traz o controle do nível de sinal para a mão do operador de som, não para o músico, que tem que lembrar de manter o seu volume baixo. Além disso,o PAD é situado sempre antes do circuito do ampop, e realmente ajuda a protegê-lo.

    Infelizmente, poucas mesas tem o botão de PAD. A maioria das que tem são grandes (consoles de mixagem) e caras.

    Continuando a tentar solucionar o problema

    Alguns fabricantes, resolveram fazer o seguinte: colocar vários tipos de conectores e uma chave para selecionar o nível de sinal. Ou seja: não importa o tipo de conector (se P10 ou XLR): o nível do sinal adequado seria selecionado pelo usuário.

    A Phonic foi uma que adotou esta solução, usando em alguns mixers os conectores Neutrik Combo, um tipo de plugue que aceita tanto o XLR quanto o P10. Ao lado do plugue, uma chave para seleção de nível: MIC ou LINE. Na foto abaixo temos um exemplo disso. Os conectores P10 abaixo dos conectores Combo são de Insert, não de LINE IN.

    phonic_MM1202a_b.jpg

    A idéia é boa, e alguns fabricantes de caixas acústicas ativas também adotaram o sistema (no Brasil, em algumas caixas da Staner). O problema é que o Neutrik Combo é caro, muito caro, e a enorme maioria dos fabricantes (mesmo a Phonic desistiu de usar assim) descobriu que é mais barato usar dois conectores independentes, um para XLR e outro para P10. E já que são conectores independentes, não precisa ter chave…

    Atualmente, tal situação – botão para a escolha de nível de sinal – é mais comum nas caixas ativas apenas. Mas ainda assim existe a chance de se ajustar as coisas de modo errado. Já vi caixas ativas que foram “esquecidas” na posição MIC, após ligadas em uma mesa de som, e depois de algum tempo vimos a fumaça sair de dentro dela.

    P9100026.jpg

    Solucionando de vez o problema: os Direct Boxes

    Quando os instrumentos estão instalados próximos da mesa de som, a solução é simples e fácil: conectar tudo no LINE-IN, e pronto! Quando estão longe da mesa (distâncias de dezenas de metros), essa distância traz problemas. É aí que entra um tipo de equipamento chamado Direct Box. Eles tem várias funções que afetam – para melhor – várias características dos sinais. Vamos estudá-las:

    a) Balanceamento de sinal

    Os microfones, que geram sinais muito baixos, sempre são utilizados conectados a entradas balanceadas nas mesas profissionais. Isso porque o balanceamento ajuda a minimizar os problemas de interferências que possam surgir no cabo (interferência de Rádio-Frequência, interferência por indução de motores, etc).

    Mas não são somente os microfones que são beneficiados com o balanceamento do sinal. Mesmo com o sinal muito mais alto que dos microfones, cabos de instrumento muito longos também podem sofrer problemas de interferências. Por causa disso, é interessante introduzir o balanceamento do sinal mesmo para sinais de linha. É sempre bom usar sinais balanceados, quando possível.

    Para mais informações sobre balanceamento, leia o artigo Balanceamento de Sinais, de David Fernandes, disponível em http://www.somaovivo.mus.br/downloads/artigo06_balanceamento.pdf

    Só que, nas mesas de som, a entrada balanceada é a entrada MIC IN, e não a LINE IN. Modernamente, muitas mesas já contam com entradas LINE IN também balanceadas, mas isso ainda não é uma regra geral, e nem adianta muito, já que os instrumentos (salvo raríssimas exceções) não são balanceados.

    Voltamos então ao nosso problema original: temos que entrar com sinais de microfones em MIC IN, e instrumentos em LINE IN. Só que, por causa do balanceamento, vamos preferir ligar tudo na entrada MIC IN mesmo, que é uma entrada balanceada por natureza.

    É claro que podemos fazer um cabo P10 macho (lado do instrumento) – XLR macho (lado da mesa de som). Só esta “solução” é fora de padrão e a ligação continua sem ser balanceada (as saídas dos instrumentos não são balanceadas). E ainda traz um risco enorme: se alguém acionar o Phantom Power neste canal, pode queimar a saída do instrumento e/ou o canal da mesa.

    A solução que os profissionais adotam é fazer a ligação através de um Direct Box! O aparelho recebe um sinal desbalanceado e o converte em um sinal balanceado. Em outras palavras, recebe um P10, vindo do instrumento, e sai dele um XLR, em direção à mesa de som. Com isso, podemos ter um sinal balanceado (e limpo, livre de interferências) por dezenas e dezenas de metros.

    b) Ajuste de nível de sinal

    A princípio, o Direct Box ativo (que precisa de energia para funcionar, em geral Phantom Power) não altera o nível de sinal, apenas introduz balanceamento. Ou seja, resolvemos o problema do balancemento, mas não o do nível de sinal. Um teclado ligado à mesa de som via Direct Box ainda chega lá com nível de sinal muito alto.

    Por causa disso, a maioria dos Direct Box possuem uma ou mais chaves PAD, permitindo que o usuário selecione uma atenuação, de acordo com o tipo de aparelho. O mais comum é encontrar uma única chave PAD -20dB, mas existem modelos com até 3 opções de atenuação, como -10dB, -20dB ou -40dB.

    Finalmente, com o sinal do instrumento devidamente balanceado e atenuado, a ligação de um instrumento na entrada MIC IN é absolutamente perfeita, inclusive recomendada.

    Lembrando que podemos escolher não atenuar o Direct Box, mantendo o nível de sinal como a fonte original (e mantendo o risco de queimar o canal, ao ligar sinal de linha na entrada de MIC IN).

    Já os Direct Boxes passivos (que não precisam de energia para funcionar) não tem chaves de atenuação, mas na verdade eles já atenuam o sinal por si só, pois gastam parte da energia do próprio sinal para funcionar. Esse gasto é, em geral, de -20dB.

    c) Casamento das impedâncias de entradas do MIC IN e LINE IN

    As entradas MIC IN tem impedância típica de 600 Ohms (baixa impedância), enquanto as entradas LINE IN tem alta impedância, geralmente em valores entre 10KOhms (10.000 Ohms) e 50KOhms.

    Já os microfones tem impedâncias baixas, geralmente entre 50 até 1000 Ohms, enquanto os aparelhos e instrumentos musicais tem saídas cujas impedâncias variam entre 5K a até 100KOhms.

    Quando temos dois dispositivos com impedâncias aproximadamente iguais (não precisa ser o valor exato), temos o máximo de transferência de energia com um mínimo de perda!

    Assim, quando ligamos um instrumento diretamente no MIC IN de uma mesa (o contrário – microfone na entrada de linha – é raro, já que em geral não há volume), não acontece a máxima transferência de energia. Alguma coisa se perde, e em geral são as altas-frequências, que são atenuadas por descasamento de impedância.

    O mesmo princípio vale para equipamentos de sonorização. Eles também tem impedâncias variando entre 10K e 100KOhms.

    Assim, se ligarmos um instrumento na entrada MIC IN, podemos perceber que a sonoridade do instrumento muda – para pior, e ninguém quer isso. Os Direct Box não somente balanceiam e atenuam o sinal, mas eles também convertem as altas impedâncias em baixas impedâncias. Ou seja: eles permitem o perfeito “casamento” de impedâncias entre o instrumento e a entrada MIC IN.

    Resumo Geral

    Vamos relembrar as nossas conclusões anteriores:

    Entrada MIC IN – ligue nela tudo o que for microfone, inclusive os sem fio
    Entrada LINE IN – ligue nela tudo o que não for microfone!


    Sempre avalie as ligações entre aparelhos em relação ao tipo de equipamento e o nível de sinal (Mic/Line) correspondente. Nunca pelo tipo de conector do cabo utilizado.

    Tudo o que não é mesa de som não aceita ligação direta com microfones. Só entendem o que é nível de linha

    Então…

    1) Se ligarmos um microfone na entrada LINE IN da mesa de som, não há nenhum risco, mas não haverá volume suficiente para o sistema funcionar.

    2) Se ligarmos um microfone em uma entrada de equipamento que não o mixer, o microfone não vai funcionar a contento, ainda que o plugue seja XLR, o mesmo do microfone. Mas não há riscos de queimar nada.

    3) Se ligarmos a saída de um equipamento ou instrumento na entrada MIC IN do mixer, temos os seguintes problemas:

    – descasamento de níveis de sinal, com possibilidade de queimar o pré-amplificador do canal da mesa;
    – risco de problemas com o Phantom Power (pode queimar o canal da mesa ou a saída do instrumento) causado por uso de cabo fora de padrão;
    – perda de sonoridade, em geral com prejuízo nas altas frequências, causado pelo descasamento de impedâncias.

    Nada disso ocorre quando ligamos os instrumentos na sua entrada padrão, a LINE IN.Entretanto, em caso de necessidade ( grande distância entre músicos e a mesa de som, em geral), a solução é usar Direct Boxes, que são “santos remédios”. Eles:

    – fazem balanceamento, permitindo um som mais limpo, livre de inteferências, com grandes benefícios quando a distância entre músicos e é grande;
    – permitem atenuar os sinais, promovendo um perfeito “casamento” entre o nível de sinal de origem (LINE que é atenuado para MIC) e o de destino (MIC)
    – permitem um perfeito “casamento” entre as impedâncias do sistema, evitando que aconteçam prejuízos de sonoridade.

    Para (des)complicar de vez

    Podemos encontrar, nos manuais, livros e revistas, várias descrições para a mesma coisa. Por exemplo:

    Chamam a entrada de microfone de:

    – MIC IN
    – XLR (referente ao conector, mas em mesas simples ele pode ser P10)
    – balanceada (balanced)
    – baixo nível (referente ao nível de sinal de microfones, que é baixo)
    – baixa impedância (Low Z – Z indica impedância)
    – alto ganho (porque microfones tem pequeno nível de sinal, logo precisam de muito ganho para funcionar)

    mic_line_alto_baixo_ganho.jpg

    Chamam a entrada de instrumentos/equipamentos de:

    – LINE IN
    – P10 IN (em inglês, TS ou TRS ou ainda 1/4”)
    – desbalanceada (unbalanced)
    – alto nível (referente ao nível de sinal de instrumentos, que é alto)
    – alta impedância (Hi-Z)
    – baixo ganho (porque instrumentos tem alto nível de sinal, logo precisam de pouco ganho).

    Já encontrei mesas de som cujas entradas eram chamadas simplesmente de Balanced/Unbalanced. Já encontrei manuais que o tempo todo citavam entradas de “alto nível” e “baixo nível”, outros que falavam em entradas de “alto ganho” e “baixo ganho”. Cabeçotes onde só apareciam as expressões “Hi-Z” e “Low-Z”, etc.

    Tenha sempre cuidado, muito cuidado. Não é à toa que o pessoal se confunde. Há motivos para isso.E não é incrível a capacidade humana de complicar as coisas?

    Microfones sem fio, violão acústico e teclados eletrônicos.

    Cansou? O autor também! Mas ainda é necessário deixar um alerta.

    Microfones sem fio profissionais tem em geral duas saídas. Uma XLR, balanceada, de baixo nível e baixa impedância, e outra P10, desbalanceada, de alto nível e alta impedância.

    Assim, ligue a saída à entrada correspondente na mesa de som. Se usar a saída XLR do mic sem fio, entre no conector MIC IN da mesa. Se usar a saída P10, ligue na entrada LINE IN do mixer.

    Quando temos microfones sem fio que só tem um único tipo de saída, seja XLR ou P10, ela é para ser ligada em entradas MIC IN. No caso de existir apenas conector P10, são microfones não profissionais, pensados para serem utilizados também com mesas não profissionais. Até podemos usá-los com mesas profissionais (fazendo cabos P10 macho – XLR macho), mas se alguém acionar o Phantom Power, adeus microfone.

    Quanto ao violão, precisamos alertar sobre os captadores eletromagnéticos passivos para violão. Eles não são profissionais, a sonoridade não é boa, estão em desuso, mas muitas igrejas ainda os tem. Apesar de terem conectores P10, eles estão em um ponto intermediário entre MIC e LINE tanto em nível de sinal quanto em impedância, então é o único tipo de situação que conhecemos em que tanto faz ligar em MIC IN quanto em LINE IN, sem risco algum, e que vai funcionar nos dois casos.

    000867-301.jpg

    Quanto a violões com captadores ativos incorporados, alguns modelos são formados por microfones condensadores presos dentro do corpo do violão, alimentado por pilha/bateria. Apesar de ser um microfone, devemos ligar na entrada LINE IN, pois o captador já inclui um pré-amplificador de microfone embutido, que eleva o sinal para o nível de linha.

    ps5000.jpg

    Por sua vez, os teclados eletrônicos são dispositivos que trabalham com impedância baixa, próximo de 1KOhm. Por causa disso, deveriam ser ligados na entrada MIC IN para não haver perdas de frequências. Entretanto, são dispositivos com saídas bem altas, na casa de alguns volts. Ou seja: são sinais de linha. Neste caso, ligar o teclado no MIC IN pode causar danos aos equipamentos.

    A solução é sempre ligar em LINE IN, mesmo com o risco de prejudicar um pouco a sonoridade. Mas antes a sonoridade que danificar a mesa! Além disso, pela prática, sabemos que o prejuízo no som é mínimo. Mas quem quiser solucionar o problema pode usar o botão PAD da mesa ou Direct Boxes.

    E ufa! Daqui para a frente, tenho certeza que vamos todos olhar para os painés de conexão dos equipamentos de áudio com outros olhos.
     
    Editado por um moderador: 5 Agosto 2015
  2. isinho

    isinho Administrator Moderador

    Afiliado:
    21 Dezembro 2007
    Mensagens:
    29,389
    Aprovações Recebidas:
    39
    Ótimo artigo Fernando, como todos os outros.
    Taí uma coisa que nem fazia idéia!!!!
    Já inteliguei muitas vezes mesas de som, sempre XLR com XLR! Sempre tomo cuidado para não dar pico, mas não sabia disso!
    Teria problema deixar a ligação desse modo se a programação for curta (menos de 4 horas) tomando cuidado de não deixar o sinal clipar???

    - Só uma outra coisa, a algumas semanas falei aqui que a LX7 não tinha luz de pico, o que tinha achado extremamente estranho; lendo novamente o manual, encontrei, a mesma luz de PFL também serve de luz de pico... Pelo menos um bom sinal, meus canais não clipam, nunca vi essa luz acender... hehe
     
  3. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Olá Isinho,

    O próprio artigo te dá a solução quebra-galho: mantenha o volume da mesa que envia o sinal sempre baixo, só isso.

    Um abraço,

    Fernando
     
  4. VictorDalmaso

    VictorDalmaso Active Member

    Afiliado:
    30 Janeiro 2008
    Mensagens:
    1,325
    Aprovações Recebidas:
    0
    Exelênte artigo Bersan!
    muitobom mesmo
    Depois deste, a vida de algumas pessoas vai mudar...rsrs

    abraço
     
  5. zavali

    zavali Member

    Afiliado:
    9 Agosto 2008
    Mensagens:
    32
    Aprovações Recebidas:
    0
    Guitarras e contrabaixos passivos

    O artigo realmente é muito bom.

    Fiquei com uma dúvida:

    O texto fala especificamente de violões passivos (que não profissionais, etc.). O mesmo se aplica a guitarras e contrabaixos passivos (os que não usam energia)?

    Até hoje eu tinha uma regra comigo: entradas MIC IN - todos os microfones, assim como instrumentos de cordas sem pedal; entradas LINE IN - todo o resto.

    Agora, pelo artigo, fui alertado da existência de captadores ativos, ou seja, mesmo sem processamento eletrônico (pedaleira), o sinal é de alto nível.

    Mas eu gostaria da confirmação do Bersan a respeito dos captadores passivos (sejam de violões, de guitarras ou de contrabaixos). MIC IN ou LINE IN? Tanto faz mesmo?

    Outra coisa. O texto fala do uso dos DIs, que balanceiam e atenuam o sinal, direcionando-o para o entrada MIC IN. Pergunto: nas mesas que possuem entradas LINE IN balanceadas, o uso dos DIs deverá ser apenas para balanceamento? Nesse caso, deverá ser preferido o uso de DIs ativos (que não atenuam naturalmente o sinal)?

    Desculpem-me pela extensão... rs

    Abraço a todos.
     
  6. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Olá Zavali,

    Só os violões com captadores passivos (dos antigos, aqui na minha terra o pessoal chamava de "cristal") podem entrar como MIC IN diretamente. Isso porque eles tem características de impedância e nível de sinal intermediários, no limite do MIC IN e LINE IN.

    Baixos, guitarras, etc, já é tudo LINE IN, independente de ter pedaleira ou captador ativo ou não.

    Perfeito o raciocício. Com o uso de DI´s, você pode colocar a mesa a uma grande distância e evitar problemas de interferências por causa do balanceamento. Se o DI for ativo, você pode escolher entrar no LINE IN (sem atenuar o sinal) ou MIC IN (se atenuar o sinal). Se o DI for passivo, como ele introduz naturalmente a atenuação, você deve entrar em MIC IN.

    Mas na prática, como a maioria das medusas é XLR-XLR, o pessoal acaba é colocando na entrada MIC IN, por causa do conector. Só isso.

    Um abraço,

    Fernando
     
  7. msfelicio

    msfelicio Active Member

    Afiliado:
    26 Março 2008
    Mensagens:
    1,317
    Aprovações Recebidas:
    0
    Localização:
    Juiz de Fora
    Bom, voltando ao assunto e se por acaso eu usasse um di passivo ( Ultra Di 400P ) num mic de lapela tipo os Leson ML-70? Já aconteceu várias vezes de eu ir operar som em casamentos, chegar lá e dar de cara com ele, na mesa entrada de MIC só XLR, então como última opção usava um adaptador mesmo, mas daria certo se usasse o Di? Será que o nível de sinal ia ficar baixo demais por ele ser passivo e dar zumbido???
     
  8. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Marcelo,

    se você atenuar ainda mais um sinal baixo, vai ficar difícil trabalhar. Nesse caso, um adaptador resolve bem melhor que um DI.

    De qualquer forma, é muito melhor você levar um microfone extra, não?

    Sempre que faço um casamento, levo meu gooseneck, microfone que conheço e confio. Já tive problemas com microfones dos outros, que na hora "H" não funcionaram.

    Um abraço,

    Fernando
     
  9. zavali

    zavali Member

    Afiliado:
    9 Agosto 2008
    Mensagens:
    32
    Aprovações Recebidas:
    0
    Valeu, Bersan!

    Meu amigo, fazia um tempão que não ouvia alguém falar em "cristal"... rs
     
  10. Guest

    Guest Guest

    Muito bom o artigo, parabéns.

    Sanou algumas dúvidas minha. Sempre tentei axar a "ligação perfeita" dos instrumentos na mesa... tendo em vista que lá na igreja o som dos instrumentos ficam extremamante altos.... (ligados na mic in)

    basta ligar o direct box antes da medusa pra poder usar no mic in sem muita perda xD
     
  11. TSA

    TSA Active Member

    Afiliado:
    17 Fevereiro 2009
    Mensagens:
    1,651
    Aprovações Recebidas:
    3
    Localização:
    Feira de Santana/BA
    Sem querer ressuscitar um tópico antigo, mas tenho uma dúvida: uma boa forma de testar "empiricamente" o nível de saída de algum equipamento seria ligá-lo a LINE IN, e verificar se sai som a um volume satisfatório (obviamente, mais fraco do que em MIC IN)? Quero dizer, se o nível de sinal for de microfone, o som deve sair extremamente fraco, ou mesmo nem "dar as caras", enquanto um sinal de nível mais alto que o de mic consegue render mais na entrada LINE. Procede?

    *Se essa dúvida já tiver sido respondida em outro tópico, me desculpem :oops:
     
  12. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Olá TSA, seja bem vindo ao SomAoVivo.

    Sim, procede. Se você está na dúvida, ligue a fonte sonora em LINE IN. Não deverá haver risco de queimar nada.

    Em abrindo todo o ganho e mesmo assim o volume sendo insuficiente, é porque provavelmente estamos lidando com algo que tem que entrar em MIC IN.

    De qualquer forma, eu tenho outra regrinha simples:

    Em MIC IN, ligue tudo o que for microfone.

    Em LINE IN, ligue tudo o que NÃO for microfone.

    99% das vezes dá certo.

    Um abraço,

    Fernando
     
  13. TSA

    TSA Active Member

    Afiliado:
    17 Fevereiro 2009
    Mensagens:
    1,651
    Aprovações Recebidas:
    3
    Localização:
    Feira de Santana/BA
    Obrigado, Fernando.
    Só mais um ponto aqui, que me deixa meio em dúvida, também: temos aqui, em nossa igreja, uns microfones sem fio TSI MS-115 (nem me fale :D ). Eles não são profissionais, e só têm saída P10 desbalanceada. No artigo, é dito que nesses casos deve-se conectá-los a MIC IN. Lendo alguns manuais (da Ciclotron), vi que nenhum microfone sem fio deve ser ligado em MIC IN, mas em LINE IN, e, fazendo eu mesmo um teste, notei que não há grandes perdas quando uso esses mics na entrada line da mesa (uma MXSD 16, nem me fale, também... nem vou entrar no mérito da questão no momento :D ). Na verdade, o uso fica perfeito (quanto ao volume), não notei diferenças práticas.

    E então, seria mera variação, por uma escolha do fabricante? Ou é preciso realmente mais cuidado ao usar esses microfones?

    Abraço
     
  14. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    TSA,

    em microfones sem fio, há alguns problemas. Eles tem um pré amplificador interno, ou seja, tem volume. De outro lado, não existe padronização: cada fabricante faz de um jeito. Por exemplo:

    - em muitos sem fio, dá para ligar em MIC IN quando o volume (da base receptora) está mais baixo, ou em LINE IN quando o volume está muito alto. Nestas condições, prefiro trabalhar com MIC IN, pois evita problemas de distorção na própria base, causado por usar o volume "no talo".

    - em outros sem fio, saídas XLR são de MIC e saídas P10 são LINE. Tal informação consta no manual (pelo menos deveria). Enquanto isto, em outros sem fio, tanto a saída XLR quanto a P10 são MIC.

    - em outros sem fio, há uma chave de seleção MIC/LINE. Assim, tanto uma saída XLR quanto a P10 podem assumir valores diferentes, dependendo do caso.

    Assim, o melhor mesmo é ler o que o manual do microfone diz! . Aliás, é sempre melhor ler o manual.

    Entretanto, de uma maneira geral, em sistemas profissionais (ou seja, balanceados), a melhor forma de ligação é a saída XLR da base ligada no MIC IN da mesa de som.

    Um abraço,

    Fernando
     
  15. TSA

    TSA Active Member

    Afiliado:
    17 Fevereiro 2009
    Mensagens:
    1,651
    Aprovações Recebidas:
    3
    Localização:
    Feira de Santana/BA
    Isso, o manual é a melhor solução p/ tirar essas dúvidas. Mas não temos esses manuais aqui na igreja (os mics foram comprados antes de eu assumir o som, nem sei se foram comprados novos ou usados, aparentemente foi um daqueles "negócios da China" propostos por alguns irmãos, muitas vezes até bem intencionados, mas sem grande conhecimento técnico - agora, tem sido uma luta p/ corrigir as falhas que temos aqui no setor de áudio), e nem no site da TSI ele está disponível. Já mandei um email p/ eles solicitando, vou esperar o resultado, e continuar pesquisando, p/ ver se encontro em algum outro lugar.

    Mais uma vez, muito obrigado.

    EDITADO: Responderam o email, ontem mesmo. Disseram que em breve vai estar no ar o site novo deles, com a linha 2009, todos os produtos e os manuais. Vou esperar, e continuar procurando em outros lugares, p/ adiantar. Enquanto isso, vou continuar usando em line, mesmo, por precaução.
     
  16. COELHINHO_D_CRISTO

    COELHINHO_D_CRISTO New Member

    Afiliado:
    3 Novembro 2009
    Mensagens:
    22
    Aprovações Recebidas:
    0
    Olá, queria parabenizá-lo pelo excelente trabalho que tem realizado, além de transmitir conhecimento, você tem contribuido para a expansão do reino de Deus aqui na terra. Que o Senhor lhe abençoe ricamente.

    Todavia, preciso de sua ajuda. Montei uma medusa na nossa Igreja aqui em Manaus e tanto os conectores da bandeja quanto os do Mixer(mesa de som) utilizei XRL. Antes de montá-la li o manual da mesa e a orientação é de ligar os instrumentos musicais na LINE IN, no entanto, devido a dificuldade de encontrar Jack fêmea para a bandeja, e também por ter lido no manual da mesa que disse que eu podia DESBALANCEAR uma entrada balanceada, ou seja, no caso de MIC IN, devia fazer um JUMPER(ligar um fio no terra e no negativo do conector macho que vai entrar no fêmea da bandeja), coloquei apenas conectores XLR. Então fiz cabos com um lado P10 MONO e outro XLR MACHO JAMPEADO.
    Porém,lendo o artigo fiquei muito preocupado com essa ligação, pois entendi que o desbalanceamento e diferente do nível de sinal.

    Pergunto: 1º Mesmo tendo feito o jumper como indicado pelo fabricante da mesa para desbalancaear, continuo correndo o risco de queimar o equipamentos?

    2º Como ainda não temos dinheiro para a compra do DI, devo mudar imediatamente esses conectores, colocanto JACK P10TRS x P10TRS, para não perder o balanceamento, já que o fabricante disse que a entrada LINE IN também é balanceada?

    3º Posso deixar os conector XLR na bandeja e colocar um P10 e assim usar devidamente a entrada line?


    Obs: Essa dúvida é somente quanto os instrumentos, pois os microfones estamos usando devidamente na entrada MIC IN.

    UM GRANDE ABRAÇO, ESPERO QUE NOS AJUDE!
     
  17. bersan

    bersan Administrator Moderador

    Afiliado:
    13 Setembro 2006
    Mensagens:
    47,878
    Aprovações Recebidas:
    39
    Olá "Coelhinho", seja bem vindo ao SomAoVivo.

    Todos agradecemos os elogios. Ore por nós.

    Para responder muito bem à sua pergunta, eu preciso saber que mesa de som vocês tem. Como você disse que:

    então imagino que seja uma mesa com entradas MIC IN balanceadas e com conectores XLR, enquanto as entradas LINE sejam P10 estéreo (P10 TRS).

    Note que existem alguns modelos de mesas onde há balanceamento em MIC e LINE e entradas todas P10 (Ciclotron AMR, algumas Boss, na maioria mesas antigas ou de pequeno tamanho). É importante diferenciar uma e outra (por favor, cite a marca/modelo da sua mesa na próxima mensagem) porque cada terá uma solução diferente.

    Considerando isto, no seu caso, eu faria o seguinte:

    MICROFONES - CABOS XLR-XLR
    INSTRUMENTOS - CABOS P10-P10.

    Medusa:

    Canais de microfone - jack XLR fêmea, plugue XLR na outra ponta (mesa).

    Canais de instrumento - jack P10 TRS fêmea, plugue P10 TRS na ponta da mesa.

    Acredito ser a melhor opção. Desta forma, você respeita todas as normas adequadas, e o risco de queimar alguma coisa é pequeno (só se a soldagem for ruim e fechar curto).

    Mas não é a única opção. Nos canais de instrumento, é possível sim usar P10 mono - P10TS - sem o menor problema, já que em grande maioria os instrumentos são desbalanceados. Ainda assim, considerando a existência de 3 condutores em cada via do multicabo (positivo, negativo e terra), e a pequena diferença de preço entre um P10 mono para um estéreo, eu usaria tudo P10 TRS.

    Também outra opção seria usar esses cabos P10 mono - XLR macho jampeado, desde que obrigatoriamente a outra ponta seja P10. Pessoalmente, não gosto, é algo completamente fora do padrão. Se outro operador de som ou mesmo músicos diferentes estiverem presentes, vão estranhar e ... talvez aconteça algum problema.

    Um abraço,

    Fernando
     
  18. amarildo santana

    amarildo santana Active Member

    Afiliado:
    3 Abril 2009
    Mensagens:
    1,589
    Aprovações Recebidas:
    4
    ... bem vindo coelhinho! soh cuidado para a Monica nao te achar por aqui :D

    [ ]'s
     
  19. David Fernandes

    David Fernandes Active Member

    Afiliado:
    28 Outubro 2006
    Mensagens:
    26,270
    Aprovações Recebidas:
    15
    Localização:
    Vila Velha
    O problema não é a Mônica... é o Cebolinha... :mrgreen:

    []'s
     
  20. jhona1234

    jhona1234 Member

    Afiliado:
    3 Outubro 2011
    Mensagens:
    57
    Aprovações Recebidas:
    0
    Sei que faz tempo que não escrevem no tópico, mas queria saber o seguinte.
    Tenho um baixo Cort B5 ativo e o jack dele é um TRS, por acaso ele seria balanceado? Funcionaria com Phantom power?
     

Compartilhe esta Página